10 de mai de 2008

Xuxa, mãe e filha








por Luciana Marques
Na semana que antecedeu o Dia das Mães, CARAS reuniu com exclusividade o clã Meneghel na Casa Rosa, Rio: Xuxa (45), a filha, Sasha (9), e a mãe, Alda (66). Mas, desta vez, a menina também quis falar. E já na primeira questão, sobre o presente que daria a Xuxa, no domingo, mostrou-se esperta. “Não vou falar. Não quero que ela leia na revista, né? É surpresa!”, afirmou Sasha, que fez questão de realçar que é fã número 1 da mãe. “Ela é muito ‘crianceira’, adora brincar. E eu amo isso” , declarou-se ela, abraçada ao yorkshire Dudu. Para Xuxa, a filha cativa pelas demonstrações de autenticidade e afeto. E não é só com ela. A avó materna, Alda, que sofre de Mal de Parkinson e vive nos Estados Unidos, não esconde que a convivência com a menina faz bem a sua saúde. As duas adoram jogar cartas, pintar e desenhar juntas. “Minha mãe é professora de arte. Faz trabalhos manuais, apesar de ter altos e baixos com a doença. E ela fica com os olhos cheios de lágrimas ao constatar que Sasha é a única dos 11 netos que herdou a paixão pela arte”, conta a apresentadora. Na entrevista, Xuxa não quis falar sobre a tão comentada reconciliação com Luciano Szafir (39), o pai de Sasha. Mas surpreende ao revelar uma novidade: não descarta mais se casar oficialmente. Workaholic, celebra a estréia no sábado, 10, às 10h, do novo TV Xuxa, programa semanal dirigido para toda a família.
– O que admira em sua mãe? Sasha – Por fora, os olhos. São as coisas mais lindas do mundo. E, por dentro, o amor que me dá, e por adorar brincar.
– E o que não gosta? Sasha – É a melhor mãe do mundo. Não mudaria nada. E desejo ser igual a ela, mas cada um é cada um. Quero que continue me ensinando tudo o que sabe.
– Xuxa, depois de ouvir as declarações, ser mãe para você é... – Ainda não inventaram a palavra certa para expressar o melhor sentimento por uma pessoinha tão amada, como Sasha. Ser mãe realmente não tem uma descrição.
– Geralmente, filho único acaba sendo mimado. Se preocupa com isso? – Não se pode generalizar. Certos mimos fazem mal para alguns e bem para outros. Mimo os filhos dos outros e não faço diferente com a minha. A maioria das pessoas acha que mimar é estragar, mas também é dar carinho. Posso me dar ao luxo de fazer isso porque ela tem limites, é responsável, disciplinada. Talvez se tivesse outro filho, com um outro tipo de personalidade, isso não fosse possível.
– Como é a rotina de vocês?– Quando Sasha volta da escola, no fim da tarde, fazemos os deveres juntas, jogamos buraco, brincamos. Na hora de dormir, sempre conversamos sobre o dia, antes de rezarmos. Ela acorda às 6h30 e eu normalmente durmo até 10, 11h. Antes de ir para a escola, ela diz brincando: ‘boa noite mãe’.
– Sasha virou uma celebridade. Como você lida hoje com isso?– Quando ela nasceu, houve um exagero na exposição. Talvez por inexperiência minha. Acho que não a protegi como deveria. Com o passar do tempo, ela foi criando uma forma particular de tratar o assédio. Já sabe se impor.
– Qual a última vez que se emocionou com ela?– Quando me deu um cartão de aniversário, no fim de março, com uma declaração de amor. Mas o que me faz ficar com nó na garganta é o ‘eu te amo’. Ela fala com uma vontade... Também diz: ‘meu coração está apertado de amor’. Depois me abraça e beija. Dou valor a cada gesto, a tudo o que aprendo com ela.
– Ela ainda pede um irmão?– Ela gosta muito de criança, mas não tem mais falado disso.
– Ainda pensa em adotar? – Isso foi um pedido de Sasha quando fez três anos. Mas a idéia precisa ser mais amadurecida.
– Dona Alda passa a maior parte do tempo em Orlando. Como faz para matar as saudades de sua mãe? – De quatro anos para cá, tenho férias duas vezes por ano. Vou para lá e ela também vem muito ao Brasil. Mas queria ficar mais tempo com ela. Temos uma ligação forte, a amo muito. Me sinto protegida ao seu lado. Ela abraça gostoso, tem mania de dar colo.
– Por que ela não volta a morar no Brasil? – Ela prefere viver na Flórida. Lá, eles tratam melhor as pessoas de idade. E ela tem a doença de Parkinson, que a deixa debilitada. Aqui, cobram muito, ficam olhando. Ela também diz que é vista como a ‘Mãe da Xuxa’. E não gosta disso. É uma pessoa humilde. Para vê-la feliz é só deixála em um meio mais simples.
– E a relação dela com Sasha?– Uma é apaixonada pela outra. Em uma de nossas viagens, ficamos em um hotel ótimo. Era o sonho de toda a criança, com vários brinquedos. Mas Sasha descobriu um espaço onde podia pintar pratos, depois os colocava em um forno e saíam prontos. Ela e minha mãe ficavam todo o tempo lá. Na hora de irmos embora, Sasha pediu para levar os pratos, as tintas e disse: ‘mãe, compra um forninho desses lá para casa?’. É mole? Um forno daquele tamanho.
– Você encabeça a campanha Não Bata, Eduque. Que conselho daria aos pais sobre o tema? – As pessoas dizem que batem para educar, mas desde quando violência é sinônimo de educação? Muitos costumes antigos foram derrubados, como a escravidão, marido bater na mulher. Não é porque crescemos acompanhando erros como esses que devemos repeti-los. Sei que muitas pessoas que levantam a mão para os filhos, não fazem por falta de amor. Mas como um costume errado. A boa educação começa com uma conversa. Conte até dez, fale com a criança, mas não bata.Violência gera violência.
– E o novo TV Xuxa? – Será um programa com quadros inéditos, outros que já fiz, mas atualizados. Tem um game entre família. Um dos meus quadros preferidos é o Tô na Xuxa, onde a platéia mostra o que sabe fazer.
– Você sempre se disse avessa a casamento, mudou de idéia?– Se a pessoa com quem eu estiver, quiser muito uma festa de casamento, católica, budista ou de uma outra religião, eu caso. Mas não é algo que faz parte dos meus planos. Farei se for importante para o meu relacionamento.

Um comentário:

Amanda disse...

Ficaram muito linda as fotos desse ensaio. Elas estão de parabéns !!!